sábado, 30 de abril de 2016

O ABRAÇO DA SERPENTE - 2015

El abrazo de la serpiente - 2015
Legendado, Ciro Guerra
Clique na imagem para ver o trailer

Formato: AVI
Áudio: espanhol/alemão/português/latim/catalão
Legendas: português
Duração: 2h 05 min.
Tamanho: 1,62 GB
Servidor: 1Fichier (Parte única)

LINK

SINOPSE
Theo (Jan Bijvoet) é um explorador alemão que, em 1909, procura a ajuda do xamã Karamakate (Nilbio Torres/Antonio Bolivar), o último sobrevivente conhecido da tribo dos Cohiuanos, para servir de guia no percurso do rio Amazonas. Gravemente doente, Theo busca a yakruna, uma planta sagrada com poderes curativos. Quase quatro décadas depois, o norte-americano Evans (Brionne Davis) lê os diários de Theo e resolve percorrer o mesmo trilho, de forma a descobrir e estudar a planta medicinal. Para isso, encontra-se com Karamakate. Durante todos estes anos, muita coisa mudou na paisagem amazónica e mais ainda no coração do velho índio…
Realizado pelo colombiano Ciro Guerra ("La Sombra del Caminante", "Los Viajes del Viento"), um filme a preto e branco que se baseia nos diários de Theodor Koch-Grunberg (1872-1924), um explorador alemão que contribuiu para o estudo da mitologia, etnologia e antropologia dos povos indígenas da América do Sul (em particular dos Pemon, da Venezuela, e dos índios brasileiros da região da Amazónia). "O Abraço da Serpente" foi nomeado para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro (Colombia).

Fonte: Cinecartaz
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 8.2

Screenshots

quarta-feira, 27 de abril de 2016

NAS GARRAS DO ÓDIO - 1965

The nanny, 1965
Legendado, Seth Holt

Formato: AVI
Áudio: inglês
Legendas: português
Duração: 1h 31 min.
Tamanho: 1,10 GB
Servidor: 1Fichier (Parte única)

LINK

SINOPSE
O garoto Joey, de dez anos de idade (William Dix), está voltando para a casa dos pais ricos e ausentes e para os cuidados da babá, depois de passar dois anos em uma instituição para pessoas com doenças mentais. Joey tinha ido parar nesse lugar sob a suspeita de ter afogado sua irmã mais nova na banheira, enquanto ela tomava banho. Lá, infernizava a vida dos funcionários com brincadeiras de humor negro. De volta à sua casa, vai insistir na sua antiga tese: foi a babá que matou sua irmã, e a babá agora quer matá-lo. Mas ninguém o leva a sério.

Fonte: Filmow
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 7.3

Screenshots

terça-feira, 26 de abril de 2016

A GRANDE ILUSÃO - 1937

La grande illusion, 1937
Legendado, Jean Renoir
Classificação: Excelente

Formato: AVI
Áudio: francês/alemão/inglês/russo
Legendas: português
Duração: 114 min.
Tamanho: 1,41 GB
Servidor: 1Fichier (Parte única)

LINK

SINOPSE
Durante I Guerra Mundial, dois soldados franceses são capturados pelas tropas alemãs. O Capitão Boeldieu (Pierre Fresnay) é um aristocrata enquanto o Tenente Marechal (Jean Gabin) era um simples mecânico quando ainda civíl. Eles conhecem outros prisioneiros de diversas origens e fazem amizade com um companheiro chamado Rosenthal (Marcel Dalio). Após tentarem fugir por diversas vezes, eles são separados do novo amigo e enviados para um fortaleza. É lá que Boeldieu faz amizade com um oficial alemão chamado Van Rauffenstein (Erich von Stroheim), também de origem aristocrática.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 8.2


ANÁLISE

Uma obra-prima do drama em tempos da Primeira Guerra Mundial

De Jean Renoir, este é considerado pela crítica em geral um dos mais importantes filmes franceses de todos os tempos e, por que não, um dos mais importantes de qualquer nacionalidade. Inspirador de inúmeras obras, fala sobre a Primeira Guerra Mundial em uma época que ela não era conhecida como tal – 1937 – e a sombra de Hitler já começava a amedrontar meio mundo. Mas Hitler não tem nada haver com A Grande Ilusão. O filme conta a história de um grupo de soldados franceses presos em um campo de prisioneiros na Alemanha em 1916, de suas análises sobre a guerra e do comportamento humano no meio dela.

É um filme que serviu como inspiração para inúmeros outros filmes de priosioneiros de guerra, tais como Inferno Número 17, de Billy Wilder (inclusive o número do campo de priosioneiros da primeira metade de A Grande Ilusão é o número 17), Fugindo do Inferno, com Steve McQueen (considerado por muitos como o melhor desse sub-gênero) e até mesmo de filmes mais recentes como A Guerra de Hart, com Bruce Willis. Mas A Grande Ilusão não é simplesmente “sobre um grupo de soldados que faz de tudo pra fugir do campo de prisioneiros”. O filme entrou para a história do cinema por suas interpretações e seus gloriosos temas, em uma época bastante importante para a humanidade.

Várias cenas não foram exibidas até o final da década de 50, como a sequência em que dois fugitivos – um judeu e um francês – durante sua fuga vão hospedar-se com uma mulher alemã e esta apaixona-se por um deles. Há uma cena, também maravilhosa, onde os prisioneiros franceses cantam La Marselhaise em pleno território germânico em alto e bom som (a cena em Casablanca, então, é bem posterior a esta). O filme é recheado desses pequenos grandes momentos, e no todo ele encanta e coloca-se na história cinematográfica por tudo isso. Seus personagens são complexos – tanto os prisioneiros quanto os alemães. Os diálogos entre estes e os prisioneiros franceses são os melhores, e daí surgem grandes momentos que mostram a mensagem anti-militarista do filme.

Esses momentos, que ocorrem principalmente entre o capitão Rauffenstein (o grande ator Erich von Stroheim) e os prisioneiros franceses funcionam como um manifesto a favor da amizade entre os seres humanos: mesmo que o capitão tenha como dever manter presos os franceses, ele reconhece que o faz por obrigação e que não é a favor da guerra. Uma mensagem do diretor para um público temeroso, em uma época que a sombra de uma nova guerra – muito maior do que aquela primeira – estava pairando no ar.

Continue lendo no site Cineplayers

Screenshots





































































































































sexta-feira, 22 de abril de 2016

PROCURANDO ELLY - 2009

Darbareye Elly, 2009
Legenado, Asghar Farhadi
Clique na imagem para ver o trailer

Formato: AVI
Áudio: persa/alemão
Legendas: português
Duração: 1h 59 min.
Tamanho: 1,21 GB
Servidor: 1Fichier (parte única)

LINK

SINOPSE
Após passar anos na Alemanha, Ahmad (Shahab Hosseini) volta ao Irã e seus amigos organizam três dias de comemoração. Sem que o resto do grupo saiba, Sepideh (Golshifteh Farahani) convida para a festa a jovem Elly (Taraneh Alidoosti), professora de sua filha. Ahmad, que acabou de se separar da namorada alemã e gostaria de começar uma nova vida com uma iraniana, vê em Elly a mulher perfeita. No dia seguinte, no entanto, ela desaparece misteriosamente. O clima entre os amigos torna-se amargo e tenso e eles iniciam uma pequena investigação para descobrir o paradeiro da moça.

Fonte: Filmow
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 8.1

Screenshots

quinta-feira, 21 de abril de 2016

MOUCHETTE - 1967

Mouchette, 1967
Legendado, Robert Bresson
Clique na imagem para ver o trailer

Formato: AVI
Áudio: francês
Legendas: português
Duração: 1h 18 min.
Tamanho: 1,45 GB
Servidor: 1Fichier (parte única)

LINK

SINOPSE
Uma jovem garota francesa solitária, desprezada pelo pai e com a mãe doente, se envolve com um forasteiro que a usa como álibi do assassinato de um policial.

Fonte: Flmow
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 7.8

Screenshots

segunda-feira, 18 de abril de 2016

NARCISO NEGRO - 1947

Black Narcissus, 1947
Legendado, Michael Powell e Emeric Pressburger
Clique na imagem para ver o trailer


Formato: AVI
Áudio: inglês
Legendas: português
Duração: 1h 40 min.
Tamanho: 1,45 GB
Servidor: 1Fichier (parte única)

LINK

SINOPSE
Um grupo de freiras lideradas pela jovem e inexperiente Irmã Clodagh (Deborah Kerr) tem a missão de estabelecer um novo convento no alto do Himalaia. Em meio a um povo majoritariamente não cristão, as freiras dão aulas e oferecem atendimento médico, mas a presença constante de um homem (David Farrar) começa a tirá-las do sério, provocando sérios tormentos, sentimentos incontroláveis e ações inesperadas.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 8.0

Screenshots

quinta-feira, 14 de abril de 2016

A VIDA ÚTIL - 2010

La vida útil, 2010
Legendado, Federico Veiroj
Clique na imagem para ver o trailer


Formato: mkv
Áudio: espanhol
Legendas: português
Duração: 1h 07 min.
Tamanho: 991 MB
Servidor: 1Fichier (parte única)

LINK

SINOPSE
Jorge (Jorge Jellinek) tem 45 anos, mora com os pais e trabalha há 25 anos na Cinemateca de Montevidéu, onde elabora a programação de filmes, presta suporte técnico e apresenta um programa sobre cinema em uma estação de rádio. Sua vida se resume ao trabalho e à família, sendo que ele jamais trabalhou em outro lugar. Até que, um dia, ele é demitido quando a Cinemateca é obrigada a fechar as portas. Sem saber o que fazer, ele precisa encontrar um meio de encontrar utilidade para sua própria vida.

Fonte: Adorocinema
The Internet Movie Database: IMDB - NOTA IMDB: 6.5

Screenshots

terça-feira, 12 de abril de 2016

O QUARTO DE JACK - 2015



Room, 2015, Legendado, Lenny Abrahamson.
https://youtu.be/E_Ci-pAL4eE
- Indicação da Semana -
Classificação: Excelente
Formato: AVI/Xvid

Áudio: Inglês

Legendas: Português

Duração: 1h58m

PG: 16

Tamanho: 759 Mb

Servidor: MEGA

Links:

Sinopse: Num pequeno quarto, bastante apertado, vivem Joy Newsome e seu filho Jack, de apenas cinco anos de idade. Presos há algum tempo, ele nasceu ali e não sabe nada sobre o mundo, nem mesmo imagina que ele realmente exista, pois tudo que ele conhece é esse pequeno quarto onde cresceu.
Fonte: Cineplayers


http://www.imdb.com/title/tt3170832/?ref_=fn_al_tt_1
  IMDB - Internet Movies Database: Nota Imdb 8.3



"Admirável mundo novo": Para resenhar esta narrativa, e com interessante visão sobre a obra de Abrahamson - já que é na sensível relação de realidade e pertencimento, com o espaço e um mundo intrinsecamente ligado à infância, a uma desconhecida realidade e por ser um tema tão difícil e com abordagem plena, enquanto a noção de espaço íntimo x realidade concreta se interpelam por um caminho, uma resposta, e um mundo de proporções abissais, cheio de novas estruturas: sociais, emocionais, lúdicas e principalmente no que refere-se à compreensão  de espaços físicos – é interessante para a visão peculiar do blog, ter na compreensão espacial e emocional de uma criança, a resenha de um profissional que habita entre os espaços, a vida e a noção de indentidade e, sobretudo, as emoções resultantes desta interação.

Resenha:
(Atenção, contém spoilers!)
O Quarto de Jack:

Por: Jaqueline Miranda Cardozo

“O quarto de Jack” possui um roteiro surpreendente e encantador que aborda muitas questões sociais, tendo como tema central a relação com o desconhecido. O filme inicia mostrando a vida do pequeno Jack e sua mãe, restrita à um minúsculo quarto. Jack é uma criança que acaba de completar 5 anos, fruto de abuso sexual que Joy sofre ao ser sequestrada e mantida em cativeiro por 7 anos, portanto não conhece nada do que existe no mundo além do quarto.

No quarto, Jack se sente como detentor do saber, aquele é o seu “mundo” e logo é exposto o que ele acredita ser o “real” e o “irreal”. Buscando manter a integridade mental do filho, Joy esconde a verdadeira situação em que se encontram, deixando o garoto acreditar que o mundo se restringe apenas ao que está dentro do quarto e o mantendo afastado do sequestrador, o qual Jack conhece por “O velho Nick”,  visto como um ser mágico que traz os presentes e alimentos, mas que por algum motivo deve ser temido.
            Quando Jack faz 5 anos, Joy decide lhe contar a “verdade” sobre o mundo e o que os mantém presos no quarto. “Não acredito no seu mundo fedorento”, a reação do garoto é de completa negação do desconhecido, demonstrando raiva e desespero ao saber que o seu “real” era em parte uma mentira, e a outra parte.. uma pecinha de um imenso quebra-cabeça. O barato do filme é ver que as reações de Jack são extremamente humanas. Quem não teria medo ao ser apresentado à uma realidade até então desconhecida? Imagine isso para uma criança de 5 anos. 
A reação do garoto é de completa negação do desconhecido, demonstrando raiva e desespero ao saber que o seu “real” era em parte uma mentira.
            Quando o clima ameniza, Jack fica curioso e cheio de dúvidas, enchendo sua mãe de perguntas. Joy com paciência as responde e logo traça um plano de fuga com o filho. O jogo de câmeras durante todo o filme é  sensacional, conseguindo transmitir ao telespectador as sensações das descobertas de Jack. Em especial, a cena da fuga lhe faz “viver” com o personagem, desde quando sua visão tem o primeiro contato com a luz natural direta, quanto a amplitude do espaço  que é sentida ao sair do quarto. Jacob Tremblay, ator que faz o papel de Jack, teve uma atuação impecável para o personagem.
O barato do filme é ver que as reações de Jack são extremamente humanas.

            Ao ser apresentado ao “mundo real” o roteiro vai além das descobertas de Jack e passa a abordar a adaptação tanto de Jack quanto de Joy, que encontra grande dificuldade para se adaptar novamente ao que conhecia, à retomada do tempo em que passou exclusa e diante das questões impostas pela mídia sobre suas decisões. Jack, por sua vez, se sai bem mas demonstra sentimento saudosista pelo quarto, visto como o seu lar, o local onde tinha domínio e se sentia seguro. “O quarto de Jack” é um filme que merece ser assistido pelos olhos de quem consegue observar nas pequenas coisas uma grande descoberta.