quinta-feira, 9 de maio de 2013

TRONO MANCHADO DE SANGUE - 1957

Kumonosu-jô, 1957
Legendado, Akira Kurosawa

Classificação: Excelente

Um olhar oriental sobre Shakespeare

O profundo conhecimento que Kurosawa demonstrava ter da obra trágica de William Shakespeare torna-se evidente nas suas três realizações:Trono manchado de sangue (Kumonosu-jô, 1957), baseada na peça Macbeth; Ran (1985), baseada na peça Rei Lear e Homem mau dorme bem (Warui yatsu hodo yoku nemuru, 1960), uma retomada da peça Hamlet.
Provavelmente Kurosawa adaptou em primeiro lugar a peça Macbeth por ser seu “Shakespeare preferido”, segundo o estudioso Donald Richie. Para criar sua adaptação fílmica da peça shakespeariana, Kurosawa demorou alguns anos a mais do que pretendia. Segundo as próprias palavras do diretor: “Ao terminar Rashômon, eu queria fazer algo com Macbeth, mas justamente naquela época foi noticiada a versão de Orson Welles e, portanto, adiei a minha”.

Durante o período que decorreu entre o término de Rashômon e as filmagens de Trono manchado de sangue, o diretor pôde amadurecer suas idéias. Ao transpor a tragédia shakespeariana para o feudalismo japonês, Kurosawa empreendeu algumas escolhas como a transformação do protagonista em um valoroso samurai no início do filme. Trono manchado de sangue retrata um enredo produzido com nuances tão dramáticas e de uma complexidade humana tão intensa que são comparáveis às de Shakespeare, embora pouco ou nada do texto original da peça esteja presente nas falas dos personagens dentro do filme. O mérito do filme é ter alcançado êxito ao re-trabalhar, de uma maneira radical, uma peça shakespeariana para a grande tela sob o prisma de uma cultura e história não-ocidentais. Este filme faz parte da categoria de filmes autorais, ou seja, ele expressa uma visão muito particular da tragédia shakespeariana da qual partiu.

Considerado por muitos uma verdadeira obra-prima e uma adaptação brilhante da obra de Shakespeare, é como foi dito pelo Prof. Fernando Ferreira, PUC-Rio:

Eu acho que ninguém fez cinema baseado em Shakespeare de forma mais autêntica do que Kurosawa. Ele não se preocupou em reproduzir a essência literária dessas obras porque, na cabeça de Kurosawa, isso era o menos importante, era a linguagem específica daquele autor. A linguagem específica de Kurosawa era cinema e essa linguagem não podia estar dominada pelo antecedente que o inspirou.”

TRONO MANCHADO DE SANGUE – 1957


Título Original: Kumonosu-jô
Título em inglês: Throne of Blood
Direção: Akira Kurosawa
Roteiro: Shinobu Hashimoto, Ryûzô Kikushima, Akira Kurosawa e Hideo Oguni, baseado em peça de William Shakespeare
Produção: Sôjirô Motoki e Akira Kurosawa
Gênero: Drama/Guerra/Fantasia/Suspense
Origem: Japão
Ano: 1957
Música: Masaru Satô
Fotografia: Asakazu Nakai
Edição: Akira Kurosawa:
IMDB - 8.1/10


Sinopse
Trono Manchado de Sangue adapta a obra Macbeth, de Shakespeare, para o Japão Feudal de maneira brilhante, e conta a história de Washizu e Miki, dois valentes samurais que, em regresso aos seus domínios depois de uma batalha vitoriosa, encontram no caminho o espírito de uma misteriosa senhora que prediz o futuro de ambos. A partir deste fato Washizu, influenciado por sua esposa Asaji, se vê imerso numa trágica e sangrenta luta pelo poder.


Informações do Arquivo
Formato: AVI
Qualidade: DVDRip
Áudio: Japonês
Legendas: Português/BR
Duração: 110 min
P/B
Servidor Mega: (2 partes)


LINKS

Parte 1
Parte 2


Elenco
Toshirô Mifune - Taketori Washizu
Isuzu Yamada - Lady Asaji Washizu
Takashi Shimura - Noriyasu Odagura
Akira Kubo - Yoshiteru Miki
Hiroshi Tachikawa - Kunimaru Tsuzuki
Minoru Chiaki - Yoshiaki Miki
Takamaru Sasaki - Kaniharu Tsuzuki
Takeshi Katô - Guarda
Chieko Naniwa - Velha mulher fantasma
Kokuten Kodo - Comandante
Eiko Miyoshi - Velha Mulher do Castelo
Kichijiro Ueda - Trabalhador de Washizu
Nakajiro Tomita - Segundo Comandante 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação do comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Dessa forma, o Convergência Cinéfila reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética, ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Para a boa convivência, o Convergência Cinéfila formulou algumas regras:
Comentários sobre assuntos que não dizem respeito ao filme postado poderão ser excluídos;
Comentários com links serão automaticamente excluídos;
Os pedidos de filmes devem ser feitos no chatbox.

Att.,
Convergência Cinéfila